Especialistas defendem acompanhamento no tratamento de idosos com depressão | TVMACEIO.com Para Dispositivos Conectados

Especialistas defendem acompanhamento profissional e familiar no tratamento de idosos com depressão 1,2% das pessoas de 60 a 64 anos sofrem da doença no Brasil, segundo a OMS Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que, em 2017, o Brasil ti...

saude, depressão, riscos, tratamentos, esclerose, medicamentos, sus, idosos

Especialistas defendem acompanhamento no tratamento de idosos com depressão

Publicado por: Editor
16/01/2020 10:55 AM
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Especialistas defendem acompanhamento profissional e familiar no tratamento de idosos com depressão

1,2% das pessoas de 60 a 64 anos sofrem da doença no Brasil, segundo a OMS



Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que, em 2017, o Brasil tinha 11,5 milhões de pessoas com depressão, sendo que os idosos estavam entre os mais atingidos pela doença. No mês lembrado pela conscientização sobre a Saúde Mental, especialistas da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG) alertam: receber os cuidados profissionais e familiares adequados é fundamental no tratamento.

 

A psicóloga especialista em Gerontologia, Eloisa Adler, explica que a longevidade é um desafio do século XXI à medida que cada vez mais as pessoas atingem idades muito avançadas. “Nesses últimos anos, as políticas, ações e os estudos na área do envelhecimento avançaram muito, mas o cenário da velhice também mudou. Não estamos preparados ainda para atender nossos velhos, quanto mais os velhos muito velhos, frágeis e dependentes”.

 

“Existem muitas velhices, existem idosos saudáveis com autonomia e em plena atividade, como a atriz Fernanda Montenegro, ícone da velhice com saúde física e mental. Mas, também, existe o outro extremo que é a velhice com doenças e dependência absoluta”, diz Adler.

 

Nessa etapa da vida, com o aumento das perdas e a proximidade da terminalidade da vida, a saúde mental dos idosos sofre fortes impactos, complementa a médica geriatra Claudia Burlá. Com alguma frequência, “As limitações decorrentes do processo do envelhecimento, como o declínio funcional do corpo físico, a perda do status social, limitações financeiras e múltiplas perdas afetivas precipitam o surgimento da depressão”.

 

Burlá acrescenta que a intervenção medicamentosa isoladamente nem sempre resolve este transtorno mental. “É essencial fazer um tratamento integrado com profissionais da psicologia, atendendo às diversas demandas psicossociais”.

 

Tristeza é um sentimento próprio da condição humana, distingue Adler: “A sociedade contemporânea tende a biomedicalizar questões existenciais, que são diferentes da depressão. Esta, por sua vez, é uma doença e deve ser tratada com fármacos, psicoterapia e participação social”.

 

Importância da família

No país, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem cerca de 30 milhões de pessoas com 60 anos ou mais. Entre os idosos de 60 a 65 anos, 1,2% tinha depressão em 2017, de acordo com a OMS, representando a faixa etária com mais pessoas depressivas no Brasil.

 

Ter um acompanhamento familiar pode ajudar no tratamento da doença entre os mais velhos, dizem as especialistas. Para a psicóloga, nem sempre é fácil identificar o adoecimento de um familiar idoso: “Às vezes falam que é ‘coisa de velho’. Mas, se for um quadro de depressão, é preciso que os familiares reconheçam a doença e possam tomar as medidas necessárias para tratá-la”.

 

Com o processo do envelhecimento, é frequente que a pessoa idosa seja progressivamente excluída e marginalizada. Esta perda gradativa do lugar de importância no contexto social e familiar pode culminar num isolamento doloroso e, por vezes, adoecedor. O convívio inter-geracional e a participação social são determinantes para a inclusão da pessoa idosa na sociedade contemporânea, concluem Adler e Burlá.

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados