Cuba e à covid-19 passa despercebida, mas é um exemplo a seguir | TVMACEIO.com Televisão via Internet

Apesar da falta de recursos, Cuba está a controlar a disseminação do novo coronavírus com relativo sucesso. No entanto, pouco se fala do exemplo cubano.   Alguns países parecem estar enfrentando a pandemia de covid-19 melhor do que outros. Enquanto Por...

corona, virús, pandemia, epidemia, contágio, mortes, china, wuhan, oms, notícias, infectologistas

Cuba e à covid-19 passa despercebida, mas é um exemplo a seguir

Publicado por: Editor
18/04/2020 11:53 AM
Ampe Rogério / Lusa
Ampe Rogério / Lusa

Apesar da falta de recursos, Cuba está a controlar a disseminação do novo coronavírus com relativo sucesso. No entanto, pouco se fala do exemplo cubano.

 

Alguns países parecem estar enfrentando a pandemia de covid-19 melhor do que outros. Enquanto Portugal, Coreia do Sul e Grécia são vistos como alguns bons exemplos, países como Holanda, Chile e Equador são apontados como nações a não seguir orientações da OMS. Um país que também se mudou rapidamente para lidar com a ameaça emergente foi Cuba.

 

Cuba tem várias vantagens, incluindo assistência médica universal gratuita, a maior proporção de médicos por habitante do mundo e indicadores positivos de saúde, como alta esperança média de vida e baixa mortalidade infantil.

 

Muitos dos seus médicos voluntariaram-se em todo o mundo, construindo e apoiando os sistemas de saúde de outros países enquanto ganham experiência em emergências. Uma população altamente qualificada e um setor de investigação médica avançada, incluindo três laboratórios equipados e com equipas para realizar testes de vírus, são outros pontos fortes.

 

Além disso, com uma economia centralizada e controlada pelo Estado, o Governo de Cuba pode mobilizar recursos rapidamente. A sua estrutura nacional de planejamento de emergência está conectada com organizações locais em todos os cantos do país. O sistema de preparação para desastres, com evacuações obrigatórias para pessoas vulneráveis, como deficientes e mulheres grávidas, já havia anteriormente resultado numa perda de vidas notavelmente baixa em furacões.

 

No entanto, a covid-19 apresenta diferenças. A falta de recursos de Cuba, que dificulta a recuperação de desastres, também contribui para a falta de casas, que dificulta o distanciamento social. E a fraca infraestrutura da ilha cria desafios logísticos.

 

Além disso, a pandemia ocorre num momento particularmente difícil, já que as sanções mais severas dos EUA cortaram acentuadamente os lucros com turismo e outros serviços, impediram o investimento estrangeiro, prejudicaram o comércio (incluindo importações de equipamentos médicos) e obstruíram o acesso a financiamento internacional – incluindo fundos de emergência.

 

Dados estes pontos fortes e fracos, Cuba serve de caso de estudo interessante para responder à atual pandemia.

 

A reação de Cuba à ameaça do coronavírus foi rápida. Um plano de “prevenção e controle”, preparado em janeiro de 2020, incluiu o treino de equipas médicas, a preparação de instalações médicas e de quarentena e a informação do público sobre sintomas e precauções.

 

Assim, quando os três primeiros casos foram confirmados a 11 de março, foram tomadas providências para rastrear e isolar contactos, mobilizar estudantes de medicina para visitas de porta em porta por todo o país para identificar pessoas vulneráveis e verificar sintomas e implementar um programa de testes.

 

No dia 20 de março, com 21 casos confirmados, o Governo anunciou uma proibição de chegada de turistas, quarentena de pessoas vulneráveis, provisões para teletrabalho, transferência de trabalhadores para tarefas prioritárias, proteção de emprego e assistência social.

 

Quando surgiram problemas, o Governo cubano ajustou a sua resposta. Por exemplo, quando máscaras faciais e distanciamento social mostraram-se insuficientes para manter os transportes públicos seguros, os serviços foram suspensos e veículos e motoristas estatais e privados foram contratados para transportar pacientes e trabalhadores essenciais. E para evitar multidões em lojas, o sistema de distribuição foi reorganizado e as compras online foram introduzidas.

 

Com 766 casos registados até 15 de abril (68 casos por milhão de habitantes), Cuba está na faixa intermediária da América Latina e das Caraíbas.

OMS

Número de casos confirmados por covid-19 na América Latina e nas Caraíbas no dia 13 de abril.

 

A qualidade dos dados varia enormemente entre os países, com alguns Governos substancialmente a subnotificar casos. Os casos relatados de Cuba são baseados em testes usando protocolos da OMS.

 

A República Dominicana, a mais comparável em termos de população, rendimento e dependência do turismo, mostra como a doença poderia espalhar-se se as medidas fossem menos eficazes. Em contraste, a Jamaica parece ter conseguido impedir a propagação da doença.

 

A resposta inicial da Jamaica foi semelhante à de Cuba, mas menos casos entraram no país sem serem detetados antes da interrupção do turismo. Tendo identificado 16 grupos de surtos agora, as autoridades cubanas ainda estão a lutar para impedir o descontrolo.

 

O que acontece a seguir em Cuba dependerá em grande parte da quantidade de testes. Um indicador de comprometimento com esta tarefa é a proporção de testes para casos confirmados. Segundo os dados disponíveis, Cuba (com 18.825 testes realizados) lidera a região com uma proporção de 25:1, em comparação com 16:1 na Jamaica e 3:1 na República Dominicana. (Vietname e Taiwan têm mais de 100:1, Alemanha 10:1, EUA 5:1 e Reino Unido 4:1.) Cerca de 40% dos recentes resultados positivos de Cuba são de casos assintomáticos.

 

Se a estratégia de Cuba controlar a doença, a sua experiência poderá oferecer lições para controlar a pandemia, e mais médicos estarão disponíveis para ajudar no esforço de combater a pandemia no exterior.

Fonte: Planeta ZAP // The Conversation

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados

Comentários