Fungo mortal que circula em hospitais encontrado na natureza pela primeira vez | TVMACEIO.com 100% Internet

Cientistas descobriram uma superbactéria mortal num remoto arquipélago indiano. Foi a primeira vez que este organismo multirresistente foi visto na natureza.   De acordo com o Live Science, trata-se do fungo Candida auris, que foi inicialmente descober...

corona, covid, contagioso, vacina, seringas, saúde, ar, máscara, oms, alertas, pesquisa

Fungo mortal que circula em hospitais encontrado na natureza pela primeira vez

Publicado por: Editor
22/03/2021 07:03 PM
Courtesy Pixaby
Courtesy Pixaby

Cientistas descobriram uma superbactéria mortal num remoto arquipélago indiano. Foi a primeira vez que este organismo multirresistente foi visto na natureza.

 

De acordo com o Live Science, trata-se do fungo Candida auris, que foi inicialmente descoberto num paciente no Japão, em 2009, e que rapidamente se espalhou por hospitais de todo o mundo.

 

Este micróbio pode causar infeções graves na corrente sanguínea dos pacientes, sobretudo nos que precisam de cateteres, tubos de alimentação ou tubos para os ajudar a respirar, segundo o site do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC).

 

O CDC destaca ainda que estas infeções podem ser difíceis de tratar porque o C. auris costuma ser resistente a vários antifúngicos e pode permanecer em superfícies, tanto que, em 2019, este organismo declarou-o uma “ameaça urgente” à saúde pública.


Anteriormente, cientistas já tinha levantado a hipótese de o aumento das temperaturas, devido às alterações climáticas, ter permitido que o C. auris se adaptasse a elas na natureza e, assim, ter feito com que saltasse para os humanos (cuja temperatura normal do corpo é geralmente muito alta para os fungos conseguirem sobreviver).

 

Com esta teoria em mente, uma equipa de investigadores analisou amostras do solo e da água de oito locais à volta das Ilhas Andamão, um arquipélago tropical remoto na Índia. Os cientistas isolaram a C. auris em dois: um pântano salgado onde ninguém vai e uma praia com alguma atividade humana.

 

Em comunicado, a equipe explicou que os fungos encontrados na praia eram todos multirresistentes e estavam mais relacionados com as estirpes vistas nos hospitais, em comparação com os descobertos no pântano.

 

Um dos isolados no pântano não era resistente aos medicamentos e cresceu mais lentamente em temperaturas altas comparativamente com os restantes.

 

Segundo Arturo Casadevall, chefe do departamento de Microbiologia e Imunologia Molecular da Universidade Johns Hopkins, a descoberta sugere que este exemplar pode ser uma estirpe “selvagem” do C. auris, ou seja, um que ainda não se adaptou às altas temperaturas corporais dos humanos e de outros mamíferos.

 

Este estudo, publicado a 16 de março na revista científica mBio, dá alguma força à hipótese do aquecimento global porque, antes de mais, o fungo foi identificado num ambiente natural. Além disso, este caso isolado “mais selvagem” pode ser uma espécie de elo perdido entre o fungo selvagem e aqueles que causam infeções nos hospitais.

 

Ainda assim, a pesquisa não prova que o C. auris vive naturalmente nas Ilhas Andamão, ou que se originou a partir deste local. É até possível que tenha sido introduzido por pessoas, sobretudo no local da praia.

 

Se algum dia se vier a comprovar que este fungo veio da natureza e que o aquecimento global foi um fator determinante na sua passagem para os humanos, os investigadores estão preocupados que mais patógenos como este possam dar o mesmo salto.

 

“Se esta ideia for validada… precisamos de começar a mapear mais estes patógenos que andam por aí para não sermos surpreendidos”, tal como aconteceu com o novo coronavírus, disse Casadevall.

 

Originlmente Publicado por: Planeta ZAP //

 

 

 

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados

Comentários